A PAIXÃO 
 DA REGIÃO 


Joesley Batista e Ricardo Saud chegam a Brasília e vão ficar presos na PF

12 SET 2017
12 de Setembro de 2017
Os executivos do grupo J&F, Joesley Batista e Ricardo Saud, que tiveram a prisão temporária decretada domingo (10/09), desembarcaram há pouco em Brasília. Eles saíram de São Paulo em um avião da Polícia Federal por volta das 14h, e devem seguir agora para o Instituto Médico Legal, onde farão exame de corpo de delito.

Os dois se entregaram à PF depois que o ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, aceitou o pedido de prisão temporária do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após a divulgação de um áudio de quatro horas de diálogo entre ambos que, de acordo com a PGR, aponta que eles omitiram informações durante o acordo de delação premiada.
Joesley e Saud têm prisão decretada até a próxima sexta-feira (15) e ficarão na Superintendência da PF em celas separadas, de 9 metros quadrados cada. Eles podem ser transferidos para o Complexo Penitenciário da Papuda caso a detenção seja convertida em prisão preventiva nos próximos dias.
As prisões temporárias dos executivos foram expedidas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, que acolheu o pedido feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
De acordo com Rodrigo Janot, um áudio de quatro horas de uma conversa dos executivos da J&F, que mencionavam o ex-procurador da República Marcelo Miller, aponta que eles omitiram informações da Procuradoria-Geral da República durante as negociações do acordo de delação premiada.
Nesta segunda-feira (11), agentes da PF cumpriram mandados de busca e apreensão em endereços dos executivos, na sede da J&F em São Paulo e na casa do ex-procurador da República Marcelo Miller, no Rio de Janeiro.
 No dia 12 de setembro de 2017, na mesma semana em que acontecerá o relançamento da obra do Barão de Monte Cedro, comemoram-se os 140 anos de fundação da velha Usina de Quissamã, cuja comunidade local hoje luta para o seu tombamento.
 Aline Estaneck, diretora-geral do IFF Quissamã, afirma que a instituição “deseja contribuir para o desenvolvimento local e regional valorizando as vocações regionais e, portanto, é chegada a hora de levantarmos discussões acerca das perspectivas da Agroindústria e da Agricultura Familiar no Norte Fluminense e como o Instituto Federal Fluminense pode fazer parte desse avanço”, ressalta.

Voltar